quinta-feira, 21 de julho de 2011

Levemente defeituosa


Cresci ouvindo comentários do tipo: “você lê demais, vai estragar os seus olhos”. Nunca acreditei nem por um segundo nessa bobagem e lia como se não houvesse amanhã. E nunca precisei usar óculos até que aos 40 anos me rendi ao fato de que não consegui mais ler as resenhas dos filmes na revista da Net. Catei um oftalmologista e lá fui eu, achando que ele me mandaria embora com ordens de não voltar tão cedo e não fazê-lo perder tempo com pessoas absolutamente saudáveis e com olhos perfeitos. Quebrei a cara ao ouvir a sentença horripilante: é vista cansada e é coisa da idade. Questionei o fato de pessoas mais velhas do que eu ainda não usarem óculos e o médico abanou a mão como que afastando uma mosca imaginária. Eu teria que usar óculos e ponto. Poderia arrastar-me sem eles por mais algum tempo, mas era bobagem. Melhor render-me ao inevitável.
Saí dali rumo a uma ótica, enfurecida e traída. Mandei fazer um par de óculos e repetia feito um mantra que estava charmosa. Cerca de duas semanas depois, já totalmente adaptada, esqueci os óculos em casa, o que só descobri ao chegar ao escritório que, na época, ficava em bairro distinto do meu apartamento. Totalmente desprovida de bom senso, tentei trabalhar sem eles e me deparei com a medonha descoberta de que não conseguir mais ler sem o “equipamento”. Foi uma sensação horrorosa, nunca havia passado por situação semelhante, tentar ler e não conseguir por impossibilidade técnica. Foi uma sensação no mínimo estranha e no máximo muito assustadora.
Hoje tenho seis óculos, um deles no banheiro e não me perguntem para que. Uso um pendurado por uma cordinha no pescoço e dane-se quem diz que isso é coisa de velha. Quando viajo levo dois, para não correr o risco de um acidente me deixar cegueta. E moro a cinco quarteirões do escritório, podendo ir de um ponto a outro em menos de 10 minutos. Nunca mais quero ser impedida de ler o que quer que seja, até porque o grau já aumentou muito e estou a um passo de usar óculos para longe também. Tudo bem que não se estraga os olhos com o uso, mas que eu me sinto levemente defeituosa, ah, isso eu me sinto...

4 comentários:

naomemandeflores disse...

Uso óculos desde adolescente e adoro! Acho um charme. Acabo usando lentes de contato, pela praticidade da coisa toda, mas adoro usar meus óculos de vez em quando.


Camila Faria

Cecilia Nery disse...

Ah, Mônica, essas bobagens de ler demais você acaba ficando cega eu também ouvi muito, principalmente se a luz era fraca.
Desde os 20 anos uso óculos, comecei para longe e lembro da sensação quando o coloquei pela primeira vez: maravilhosa, via tudo claro e fiquei pensando como podia enxergar antes? E uma amiga me disse: "a gente se acostuma a ler mal".
Depois dos 45 a vista também ficou cansada e, além de longe, tenho de usar o para perto, assim tenho um multifocal (acho que é isso), que aliás preciso trocar pois já não estou enxergando mais nada com ele. Pois é, ficar sem enxergar não dá. Se a gente precisa usar óculos, fazer o quê? Usa, então. Beijos.

Mi Müller disse...

Báh Denise querida, eu uso óculos desde os 7 anos, já fazem parte de mim hehehehehe... mas que ler não cansa a vista isso não cansa mesmo, o que cansa são essas pessoas que dizem que lemos demais :)

lilly disse...

ahhh denise, o que é uma vista cansada perto das viagens que vc fez ao ler cada livro?
bj