segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Quando tudo sai do controle


Como toda a compulsão, comprar livros também é algo que pode sair do controle. Já comentei que meu escritório fica em frente a uma megastore que constantemente faz promoções e liquidações, embora raramente eu encontre algo que eu deseje ler em um balaio. De qualquer forma, com ou sem balaio de ofertas, compro muito ali, incluindo as aquisições online, com preços às vezes impossíveis e sem frete. Claro que fica impossível resistir e eu sempre consigo achar algo que me interesse nos sites e “aproveitar”. E é bem diferente daquela compulsão que toda mulher tem: compra a roupa ou o sapato sem precisar, porque “o preço estava imperdível”. O livro, ao contrário da roupa desnecessária que todas compramos, eu sei que vou ler, embora não possa precisar quando. Há cerca de quatro meses dei um stop nisso tudo e venho conseguindo me controlar, apesar dos olhares compridos e sofridos na direção do outro lado da rua, pelo mais prosaico dos motivos: chega de empilhar e demorar para ler. E isso tem a ver com o post anterior, quando narrei meu domingo desovando leituras paradas. Não devo ser a única a tentar retomar um livro no ponto onde havia parado e não lembrar nadinha, tendo que voltar ao início. Claro que isso não significa abstinência total de novas compras, mas – pelo menos por um tempo – bom senso. Se for para sair da livraria lendo, tudo bem, caso contrário, vai para a lista (sim eu tenho uma!)

Já saí da livraria em frente com uma pilha de livros, tudo parcelado em várias vezes no cartão, tal qual uma geladeira. Se isso não é compulsão, não sei o que possa ser.

Um comentário:

naomemandeflores disse...

Tenho tentado me controlar também, comprando só o livro que vou ler naquela semana ou mês. Senão já viu...


Camila Faria